terça-feira, 22 de janeiro de 2008

DEDICADO AO LÁ

"Cordialidade significa aquele modo de ser que descobre um coração palpitando em cada coisa, em cada pedra, em cada estrela, em cada pessoa".
Leonardo Boff, teólogo.

Para desvencilhar-me de um indivíduo suspeito que vinha em minha direção, entrei numa loja de artigos de pesca e esportes radicais.

Como a vitrine era muito interessante, fiquei examinando-a, quando um vendedor me cumprimentou, dizendo seu nome e perguntando o meu.

Sua abordagem me surpreendeu, pois essa atitude não é muito costumeira no comércio, e entrei na loja na expectativa de observar as curiosas mercadorias que continha.

Vi, no balcão, umas caixinhas que continham alguns objetos diferentes e perguntei o que era um deles.

Prontamente o vendedor me deu uma pequena aula de como usar o singular e atrativo acessório, que nada mais era do que um guizo para colocar na ponta da vara de pescar, que chacoalhava e alertava o pescador quando o peixe mordia a isca.

Fiquei encantada com o pequeno mimo e prontamente o comprei para o meu querido mano mais velho, que adora pescar.

Apesar de não querer comprar absolutamente nada, o acolhimento e a prontidão do vendedor me persuadiram.

Uma história que poderia soar muito comum, mas que infelizmente não é o que acontece, pois o mau atendimento ainda prevalece neste país.

Enquanto os profissionais ignorarem a importância de um tratamento e atendimento eficaz ao cliente, não conseguirão se sobressair.

Atualmente o que conta é o diferencial no atendimento, pois concorrentes existem, mas nada substitui o calor humano e a cortesia.

Esse texto é uma homenagem ao meu irmão Lamartine, que é um exemplo de generosidade e cordialidade no trato com as pessoas.

Um comentário:

Lamartine Miranda disse...

Ô Luiza, você me deixou muito emociondado, querida, dedicando-me esta página do seu blog.
Obrigado pelas palavras gentis.
E gostei muito da história.
Abrs e bjs do mano Lamartine.