Translate

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

TO BE OR NOT TO BE JABOR?


Na minha pregressa vida de internauta recebi algumas mensagens sobre Arnaldo Jabor e suas supostas abordagens a vários temas, inclusive, políticos.

Considerando que, a cautela com o que recebemos pela internet é necessária, devido ao fato de que nem sempre é confiável, fico a indagar se o que recebi, realmente tinha a ver com o ilustre personagem.

Torna-se uma questão instigante que talvez eu nunca obtenha resposta.

Um amigo fez minha inscrição para o evento da ACMinas, para a palestra de Jabor dia 18/11, no Hotel Mercure, em Belo Horizonte.

A programação do evento teve início com a apresentação da dupla Caju e Totonho que arrancou muitos risos da platéia.

A seguir fomos contemplados com a palestra do convidado e recupero, aqui, algumas afirmações do palestrante, que podem ser interpretadas conforme o contexto pessoal:
“O Brasil vive em estado de suspense. Após a eleição da querida Dilma, ficamos todos aliviados.”
“Acho que não estamos vivendo numa crise e sim num momento interessante, pois crise talvez não seja a palavra mais adequada, seriam mutações.”
“A idéia de futuro está esquecida, prejudicada. Cabe a nós melhorar o caminho, melhorar o que for possível, mas não temos muito aonde chegar.”
“Isto tira da gente o delírio utópico, o mundo fica mais real.”
“A presentificação do mundo é muito legal.”
“As coisas dominam mais o homem do que o contrário.”
“O Brasil está mudando mesmo contra a vontade de muita gente.”
“O mundo nos obrigará a modernizar, embora a resistência do atraso ainda perdure.”
“A democracia virou uma necessidade profunda, trouxe as verdades, os dramas e a problemática do Brasil ficou visível.”
“A burocracia no Brasil nos corrói há anos e antigas leis emperram o progresso.”
“Temos que desconstruir feudos e bombardear a casamata e os privilégios de alguns!”
“Tenho esperança que a Dilma aprofunde as questões que ainda não são trabalhadas.”

Elaborei este post meramente para registrar o evento, sem nenhuma pretensão.

Na minha modesta opinião, sua palestra foi mais uma breve aula de história do Brasil, do que uma apologia política em que muitos insistem ou almejam que ele seja personagem e proclame verdades absolutas.

2 comentários:

Brasil Desnudo disse...

Boa tarde, Luiza!

Que não tenha sido uma pretensão sua, mas se fosse!
De qualquer forma Luiza, seria uma ótima pretensão, demonstrar algo de valioso e verdadeiro, não acha?
Um dos trechos postados, o mais forte vem de “Temos que desconstruir feudos e bombardear a casamata e os privilégios de alguns!”...
Enquanto não extirparmos de vez os privilégios, criados através de uma Constituição paralela, o Brasil e o Povo, vai continuar a padecer sob a Tirania dos Feudos Políticos!

Ótima matéria, Luiza, meus parabéns!

Um ótimo fim de semana pra Ti

Marcio RJ

Luiza Miranda disse...

Olá Márcio,
Fico honrada com sua visita e comentários.
Obrigada.
Luiza