Translate

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

CHAPÉUS


A palavra CHAPÉU provém do latim antigo "cappa", "capucho" que significa peça usada para cobrir a cabeça.


As primeiras modalidades de proteção para cabeça surgiram por volta do ano 4.000 a.C. no antigo Egito, na Babilônia e na Grécia quando o uso de faixas na cabeça tinha a finalidade de prender e proteger o cabelo.

Mais tarde originaram-se os turbantes, as tiaras e as coroas, usadas por nobres, sacerdotes e guerreiros como símbolo de status social. Como sinal de distinção social ou profissional permanecem até hoje os chapéus específicos destinados a pessoas que ocupam determinadas atividades (soldados, marinheiros, eclesiásticos, etc.).

O chapéu confere charme e estilo para quem o adota e atualmente assim como as boinas, faixas e principalmente o turbante, virou moda em muitas passarelas dos desfiles internacionais para o verão de 2009.

No Brasil até os anos cinqüenta vigorava o uso de chapéu que era símbolo da elegância para compor o vestuário, mas atualmente são usados informalmente e em algumas ocasiões especiais.

É um acessório que gosto muito, utilizo e recomendo em dias ensolarados e em noites de gala que comporte o mesmo.
As regras tradicionais para o uso do chapéu estão modificadas, mas nada impede que as pessoas utilizem o que melhor combinar com seu estilo, roupa, tipo físico e hora, embora o bom senso deva prevalecer.

Segue algumas regrinhas básicas:

Utilização:· Os chapéus ficam mais adequados quando usados com cabelos presos ou semi presos.
· Com traje social os cabelos devem estar presos.
· Boinas e bonés podem ser usados com cabelos longos e soltos.
· Se os cabelos são curtos, o ideal é que estejam atrás da orelha.
· Chapéus de palha, panamá ou de tecidos leves são usados no verão.
· Chapéu panamá de aba curta acompanha um terno de linho.
· Evite modelos muito exagerados que podem destoar do comprimento da roupa e dos outros complementos.
· Tome cuidado ao escolher esse acessório para que o conjunto não fique extravagante demais.
· A cor deve estar em harmonia com o tipo do traje e a cor do mesmo, sendo que os tons neutros são os mais indicados.
· Faça a prova do traje com o chapéu para sentir o efeito total.
· Nos casamentos o uso de chapéus elaborados é apropriado em cerimônia mais requintada.
· O chapéu não deve ser usado pelas madrinhas ou pelas mães, sem o consentimento da noiva.
· Se a noiva usar chapéu, madrinhas e convidadas devem optar por arranjos de cabeça.
· Caso mães e madrinhas utilizem, devem optar por modelos parecidos, para que haja harmonia no altar.
· Para as mães dos noivos é permitido usar chapéu mesmo à noite.
· O modelo borsalino, que possui um desing masculino, pede roupas mais clássicas, como terninhos com calça ou saia, paletós estruturados longos ou curtos e capas.
· Cerimônias diurnas ao ar livre comportam chapéus com abas largas, em lugares fechados abas médias.
· Usar os chapéus ao ar livre, com abas largas e confeccionadas com tecidos leves, para garantir uma leveza no visual.
· Roupas decotadas permitem grandes chapéus, com roupas fechadas devem ser pequenos.
· Mulheres altas e esguias ficarão bem com chapéu de abas largas.
· Evite grandes chapéus quando o rosto for miúdo ou a pessoa for baixa, pois achatam a silhueta.
· Verifique o formato de rosto: chapéus de formas arredondadas suavizam traços angulosos e os modelos geométricos favorecem o rosto redondo.
· Capriche na maquiagem, pois o rosto será o foco.
· Os modelos que possuem lantejoulas, missangas, brilhos, flores e rendas combinam mais com cabeças menores.
· Evite usar quando estiver à mesa e em igreja.
· Evite muitos acessórios para não carregar o visual.
· Somente use chapéu se sentir bem com ele.


Modelo Borsalino - referência ao sobrenome do fundador de uma fábrica de chapéus, Giuseppe Borsalino, foi criado em 1857. Também chamado fedora, que tem esse nome por conta da peça teatral Fédora, de Victorien Sardou, feita para Sarah Bernhardt.

Fontes: Livro “Negócios e Festas” de Luiza Miranda.
www.melangedetout.blogspot.com
www.rosa10.com
www.chapeusriobranco.com.br
No próximo post: Gênero dos chapéus.

4 comentários:

Luciana C disse...

Oi,Luíza!!!
ADOREI conhecer mais sobre esse acessório que eu adoro!!!!
Justamente por ele ter se restringido a ocasiões sociais mais elegantes é que acho tão difícil combina-lo com minhas roupas....mas eu tento.....e agora com o seu post com certeza ficará mais fácil!
Beijos!!!
Luciana
OBS. Pode postar sobre o ZeroAK sem nenhum problema!!

Luiza Miranda disse...

Olá Luciana,
Que delícia receber seus comentários, porque são muito importantes para mim, obrigada.
Vc é muito elegante, uma delicadeza em pessoa, portanto os chapéus serão somente um complemento.
Trabalhei bastante nesse texto, porque como disse, eu tinha informação demais e tive que enxuga-lo.
Engraçado é que vamos descobrindo as necessidades de algumas pessoas e assim contribuindo um pouquinho.
Aguarde por favor a segunda parte.
Vou postar depois sobre a sua dica de loção secativa, gt.
Beijos para vc tb.
Luiza

Uma Brasileira nas Arábias disse...

Luiza,
Adorei o texto, mas tenho uma dúvida... Se formos a um casamento à noite na igreja e optarmos por chapéu (sendo madrinha e com o consentimento da noiva) , devemos retirá-lo durante a cerimônia religiosa ou não? Desculpe se a dúvida é boba, mas eu amo chapéus e como disse no blog da Luciana, sempre me privo de usar por não saber combinar. Bjs.Paty

Luiza Miranda disse...

Olá Paty,
Realmente é uma boa dúvida, já que em igrejas o costume é tirar o chapéu, mas no caso das madrinhas, não, elas podem permanecer com o mesmo.
Farei essa ressalva no post.
Agradeço a visita e peço que aguarde a outra parte sobre chapéus.
Um grande abraço,
Luiza